Acelerada, colheita da safrinha de milho avança no Brasil e atinge 10,4% da área

Colheita da Safrinha de Milho Acelera no Centro-Sul e Traz Surpresas A colheita da safrinha de milho de 2024 no Centro-Sul do Brasil avançou significativamente na última semana, atingindo 10,4% da área cultivada. Esse ritmo acelerado supera consideravelmente os 4,7% registrados na semana anterior e os 2,2% observados no mesmo período do ano passado (safrinha […]

Acelerada, colheita da safrinha de milho avança no Brasil e atinge 10,4% da área








Colheita da Safrinha de Milho Acelera no Centro-Sul e Traz Surpresas

A colheita da safrinha de milho de 2024 no Centro-Sul do Brasil avançou significativamente na última semana, atingindo 10,4% da área cultivada. Esse ritmo acelerado supera consideravelmente os 4,7% registrados na semana anterior e os 2,2% observados no mesmo período do ano passado (safrinha 2023).

Diversos fatores contribuem para essa colheita recorde:

  • Plantio antecipado: A semeadura da safrinha foi realizada mais cedo em grande parte da região, proporcionando um desenvolvimento mais rápido das plantas.
  • Ciclo mais curto: Em algumas áreas, o ciclo de desenvolvimento das plantas de milho foi encurtado, acelerando a maturação e a colheita.
  • Clima seco: O clima seco predominante na última semana favoreceu a colheita, minimizando os riscos de perdas por doenças e pragas.

A colheita é liderada por Mato Grosso e Paraná, os dois maiores produtores de milho do país. No Mato Grosso, as condições climáticas favoráveis durante grande parte do ciclo resultaram em produtividades muito boas. Por outro lado, o Paraná enfrenta perdas devido a períodos de tempo quente e seco durante o desenvolvimento das plantas.

Em outras regiões, os rendimentos também são baixos nas primeiras áreas colhidas de Mato Grosso do Sul, São Paulo e Minas Gerais. No entanto, Goiás apresenta resultados bastante satisfatórios.

A colheita acelerada da safrinha de milho indica um grande volume de grãos a serem disponibilizados no mercado nos próximos meses. No entanto, a distribuição regional das produtividades, com destaque para as perdas no Paraná, pode afetar os preços do produto.