Crônica: Atendimento eletrônico

Manoel Gandra (de Formiga/MG)

Crônica: Atendimento eletrônico
Manoel Gandra é poeta e jornalista








Tecnologia é um trem danado. Por mais que a pessoa seja instruída, moderna e inteligente, ela está sempre correndo o risco de se complicar diante das novidades. Todo dia tem aparelho diferente no mercado, e não é fácil de acompanhar. “Esse povo não tem mais nada para inventar”, costuma dizer o formiguense.

Sempre atenta às novidades, a família Figueiredo é conhecida na cidade pelas inúmeras rodas de amigos, o clã é dos melhores possíveis. Só tem gente da melhor qualidade (e olha que não são poucos). Um dos mais populares é o Sandrinho, que é jornalista do Departamento de Comunicação do Unifor; outro é o Sérgio, o Biju, que está em atividades na Prefeitura, mas que, por anos, foi dos mais atenciosos funcionários da Telemig.

Em meados dos anos 90, a Companhia Telefônica iniciou um projeto de contenção de despesas e, para diminuir o quadro de funcionários, implantou serviço de atendimento eletrônico. Foi a primeira empresa no Centro-Oeste Mineiro. Pouca gente conhecia o método.

Como Biju não contou que as coisas tinham mudado, Sandrinho acabou vivendo uma situação divertidíssima. Era uma segunda-feira e o jornalista precisava falar com uma certa urgência com seu irmão. Ele tinha chegado de Belo Horizonte e precisava dar um recado que o João Fufu tinha mandado. Sandrinho liga para a Telemig e a gravação atende:

__Bom dia! Você ligou para a Telemig...

__Eu queria falar com o Biju.

__Procuramos fornecer um serviço que melhor atenda aos interesses do consumidor...

__Pois é, eu sei, mas é que eu tenho pressa de falar com o Biju.

__Você é muito importante para nós...

__Por favor, dá pra chamar o Biju? Aqui é o Sandrinho Figueiredo, irmão dele.

__Se você quer falar em Serviços, tecle dois. Se quer falar em Reclamações, tecle três. Se quer Atendimento ao Cliente, tecle quatro...

Sandrinho apelou:

__Veja bem, eu preciso falar com o Biju, não quero saber de assuntos da Telemig e não vou teclar nada, porque meu telefone é de disco.

__Falar com você nos dá prazer...

Não teve jeito. Sandrinho apelou e teve de ir à Telemig para poder falar com o irmão. Lá, ele quis conhecer a telefonista complicada, mas Biju o chamou num canto e contou como a coisa funcionava.